Tudo sobre Biologia


Biologia é a ciência da vida. Os biólogos estudam a estrutura, função, crescimento, origem, evolução, comportamento e distribuição dos organismos vivos.

O objeto de estudo dessa ciência são os seres vivos, que são entidades que apresentam as propriedades de multiplicação, variação e hereditariedade, apresentando, predominantemente, em sua composição, átomos de hidrogênio, oxigênio, carbono e nitrogênio.


Qual é o conceito de Biologia?

Em português claro e propriamente dita, a etimologia da palavra Biologia é o estudo da vida. Vem dos termos gregos bios (que significa vida) e logos (estudos).

Biologia é uma ciência que se preocupa com o estudo da vida nas suas mais variadas formas e níveis. O profissional dessa área é denominado biólogo.

Qual a origem da Biologia?

Uma das ciências mais antigas, não sabendo quando ao certo começou a ser explorada, entretanto, o primeiro registro desse trabalho é do filósofo e naturista Aristóteles. Ainda no século IV a.C. ele estudou e fez classificações de animais quanto à presença ou não de sangue, observando também a adaptação evolutiva de animais e plantas.

Jean Baptiste Lamarck foi o cientista evolucionista que empregou a palavra Biologia. Seu trabalho serviu de influência para vários outros estudiosos, entre eles, Charles Darwin, autor da importante obra “A origem das espécies”.

É a base para todas as outras áreas biológicas, como a Medicina, Medicina Veterinária, Química, Farmácia, entre outras.

Se mostra como uma área muito ampla.

Facilitou o aparecimento de outros nichos específicos: Fisiologia, Anatomia, Ecologia, Biotecnologia, Biologia Molecular, Genética, Zoologia, entre outras.


História da Biologia

A biologia tem uma longa história. Mesmo os primeiros humanos tinham que estudar os animais que caçavam e saber onde encontrar as plantas que eles coletavam para se alimentar.

A invenção da agricultura foi o primeiro grande avanço da civilização humana.

A medicina tem sido importante para nós desde a mais antiga história também. Os primeiros textos médicos conhecidos são da China (2500 aC), Mesopotâmia (2112 aC) e Egito (1800 aC).

Nos tempos clássicos, Aristóteles é frequentemente considerado o primeiro a praticar a zoologia científica. Ele é conhecido por ter realizado extensos estudos de vida marinha e plantas. Seu aluno, Teofrasto, escreveu um dos primeiros textos botânicos conhecidos do Ocidente em 300 aC sobre a estrutura, ciclo de vida e usos das plantas. O médico romano Galeno usou sua experiência em remendar gladiadores para a arena para escrever textos sobre procedimentos cirúrgicos no ano 158 dC

Durante a Renascença, Leonardo da Vinci arriscou a censura participando da dissecação humana e fazendo desenhos anatômicos detalhados que ainda são considerados os mais bonitos já feitos.

A invenção da imprensa e a capacidade de reproduzir ilustrações de xilogravura significava que a informação era muito mais fácil de gravar e disseminar. Um dos primeiros livros de biologia ilustrados é um texto botânico escrito pelo botânico alemão Leonhard Fuchs em 1542.

A classificação Binomial foi inaugurada por Carolus Linnaeus em 1735, usando nomes latinos para agrupar espécies de acordo com suas características.

Microscópios abriram novos mundos para os cientistas. Em 1665, Robert Hooke usou um simples microscópio composto para examinar uma fina lasca de cortiça. Ele observou que o tecido da planta consistia em unidades retangulares que o faziam lembrar das minúsculas salas usadas pelos monges. Ele chamou essas unidades de “células”.

Em 1676, Anton von Leeuwenhoek publicou os primeiros desenhos de organismos vivos unicelulares. Theodore Schwann acrescentou a informação de que o tecido animal também é composto de células em 1839.

Durante a era vitoriana e ao longo do século XIX, a “Ciência Natural” tornou-se uma espécie de mania. Milhares de novas espécies foram descobertas e descritas por intrépidos aventureiros e por botânicos de quintal e entomologistas.

Em 1812, Georges Cuvier descreveu fósseis e formulou a hipótese de que a Terra havia sofrido “ataques sucessivos de criação e destruição” durante longos períodos de tempo.

Em 24 de novembro de 1859, Charles Darwin publicou “Sobre a Origem das Espécies”, o texto que mudou para sempre o mundo, mostrando que todos os seres vivos estão inter-relacionados e que espécies não foram criadas separadamente, mas surgem de formas ancestrais que são modificadas pela adaptação ao seu ambiente.

Enquanto grande parte da atenção do mundo foi capturada por questões de biologia no nível macroscópico do organismo, um monge tranquilo estava investigando como as coisas vivas passam características de uma geração para outra.

Gregor Mendel é agora conhecido como o pai da genética, embora os artigos sobre herança, publicados em 1866, tenham passado despercebidos na época. Seu trabalho foi redescoberto em 1900 e uma maior compreensão da herança rapidamente se seguiu.

Os séculos XX e XXI podem ser conhecidos pelas futuras gerações como o início da “Revolução Biológica”. Começando com Watson e Crick explicando a estrutura e função do DNA em 1953, todos os campos da biologia se expandiram exponencialmente e tocaram todos os aspectos de nossas vidas.

A medicina será alterada pelo desenvolvimento de terapias adaptadas ao projeto genético de um paciente ou pela combinação de biologia e tecnologia com próteses controladas pelo cérebro.

As economias dependem do gerenciamento adequado dos recursos ecológicos, equilibrando as necessidades humanas com a conservação. Podemos descobrir maneiras de salvar nossos oceanos enquanto os usamos para produzir alimentos suficientes para alimentar as nações.

Podemos “cultivar” baterias de bactérias ou prédios leves com fungos bioluminescentes. As possibilidades são infinitas;

Reportagem adicional de Rachel Ross, Live Science Contributor.


A importância da Biologia

São realizadas diversas pesquisas para a manutenção e compreensão dos seres vivos e o ambiente em que estão inseridos. Por isso, ela se volta para questões ambientais e de saúde, de maneira geral, por meio de desenvolvimento de pesquisas e medidas que auxiliam a minimizar problemas, como a erradicação de doenças, emissão de gases poluentes, desmatamento, poluição, uso de substâncias tóxicas, entre outros.

O que estuda em Biologia?

A definição mais clara que podemos fazer é que o biólogo é responsável por estudar as diferentes formas de vida, seja macroscópica ou microscópica. Ele desenvolve pesquisas sobre a origem, a evolução, o funcionamento e a estrutura dos organismos. Estuda as relações entre os diferentes seres vivos, bem como a relação entre eles e o meio ambiente.

Podemos concluir que a carreira do biólogo é bastante promissora. Além disso, outro fator que aumenta as chances de empregabilidade é o surgimento de uma consciência em relação ao meio ambiente.

Existem duas possibilidades de formação superior do Biólogo, o Bacharelado e Licenciatura.

No bacharelado disciplinas como Matemática, Estatística e Física são bastante estudadas. Durante a graduação as coordenações e professores vão alternando entre aulas teóricas, aulas práticas em laboratórios e pesquisas de campo de uma forma lógica.

Para um maior contato com a profissão, o estágio é obrigatório.

Algumas universidades oferecem a habilitação ou ênfase em áreas específicas, como biologia vegetal, biologia marinha, zoologia, ecologia, genética, marinha, gestão ambiental, meio ambiente e biodiversidade e biotecnologia e saúde.

Já a grade curricular de licenciatura dá ênfase às áreas básicas, como genética, botânica e ecologia. Você também verá em disciplinas voltadas para metodologias pedagógicas, como didática, psicologia da educação, metodologia de ensino e pesquisas em educação.

O estágio em licenciatura também é obrigatório, assim como a entrega do trabalho de conclusão de curso (TCC).

Basicamente para quem fizer bacharelado em Biologia trabalhará mais com pesquisas cientificas laboratoriais e/ou campo. E para que for no caminho da licenciatura, poderá lecionar em escolas municipais, estaduais; como complemento a licenciatura, é importante fazer uma pós-graduação de Metodologia do Ensino Superior, assim você poderá ministrar aulas no ensino superior.


Divisões da Biologia

Conheça algumas das áreas da biologia navegando em nosso site:

Quais são as áreas de atuação do Biólogo?

As áreas de atuação do biólogo possibilitam diversas frentes. Agora que já compreendemos o que se estuda em Biologia, vamos nos aprofundar um pouco mais nas áreas de atuação possíveis após sua formação.

Conheça alguns segmentos que um biólogo pode atuar:

  • Bioinformática
  • Biologia de organismos aquáticos
  • Biologia forense
  • Biologia molecular
  • Controle de pragas e vetores
  • Ensino
  • Genética e biotecnologia:
  • Gerenciamento costeiro
  • Meio ambiente
  • Microbiologia
  • Zoologia

Relembrando que a licenciatura habilita o aluno para ministrar aulas tanto no ensino médio como no ensino superior. Porém, para lecionar em universidades é preciso ter pós-graduação.


Metodologias de Estudos

Buscar responder os fenômenos da natureza por meio do método científico, que nos fornece critérios para tal. Primeiramente, há a observação, que consiste na análise dos fatos. Depois, o questionamento, etapa responsável pela identificação do objeto de estudo. Delimitando o tema, inicia-se o processo de formulação de hipóteses, no qual se buscam as possíveis respostas para o problema, com base nos conhecimentos disponíveis sobre o tema. Agora, temos a realização de dedução, que é a previsão possível baseada na hipótese. As deduções devem ser testadas, por meio da experimentação, observação, análise da consistência de sua lógica, ou mesmo testes matemáticos. Após todo esse processo, temos a conclusão, que é o momento em que a hipótese é aceita ou rejeitada; e a divulgação dessas etapas, por meio de artigos científicos, apresentações em eventos científicos, etc.

Quando uma hipótese é amplamente confirmada por meio de uma gama de experimentações e observações, é considerada uma teoria – note que aqui há uma grande diferença entre o que chamamos de teoria em nosso cotidiano, que é empregada como uma mera especulação.

A melhor forma de se estudar a Biologia não é por meio de “decorebas”, como muitas pessoas pensam, mas sim analisando as relações entre os conteúdos e comparando as semelhanças e diferenças entre os seres vivos.

Essa ciência natural, por meio do método científico, é capaz de desenvolver o senso crítico da pessoa, auxiliando-a a exercer sua cidadania por meio de escolhas e tomadas de decisão mais responsáveis, propiciando a construção de uma sociedade mais justa e um meio ambiente mais saudável.

Mariana Araguaia
Graduada em Biologia



Relação entre Biologia e Sustentabilidade

Ações sustentáveis que ajudem a minimizar os impactos ambientais, garantindo a preservação do meio ambiente não são ações restritas apenas à sustentabilidade, que está intimamente ligada à Biologia, uma vez que essa ciência também direciona seus estudos às descobertas de soluções sustentáveis que visam a melhoria da qualidade de vida da população e do meio em que vivem. Exemplo disso estão:

  • A substituição de produtos químicos por enzimas;
  • Utilização de novas tecnologias no setor de reciclagem;
  • Uso de biomassa para criação de bioenergia e biocombustíveis, em vez de fontes não renováveis (carvão e petróleo).

O que faz quem estuda Biologia?

O Biólogo que opta pela habilitação em licenciatura pode atuar como professor de Biologia dos ensinos fundamental e médio.

Já o bacharel em Biologia encontra oportunidades de trabalho em órgãos públicos, empresas privadas e terceiro setor.

Trabalham nas diversas áreas de pesquisas em universidades, indústrias farmacêuticas, Zoológicos e institutos de pesquisas.

Podem também atuar com prestação de serviços de assessoria na área ambiental de empresas. Esta área está em expansão na atualidade e deve apresentar grandes oportunidades para estes profissionais.

Alguns biólogos também atuam na área de ensino, como professores do Ensino Médio ou universitário.

Há também campo de trabalho para o biólogo em laboratórios de análises clínicas, parques florestais e museus voltados para a área de Biologia.

É importância que o futuro biólogo goste de estudar animais, plantas e tudo que se relacione com a vida.

O interesse pela ciência e pesquisa também são de grande valia para este profissional.

Para os que pretendem atuar na área educacional, é necessário que tenha vontade e vocação para ensinar.

Especializações

Após a formação na graduação em Ciências Biológicas, o biólogo pode fazer cursos de especialização em diversas áreas, tais como:

  • Zoologia
  • Zootecnia
  • Engenharia Genética
  • Biologia Marinha
  • Biologia Celular
  • Botânica
  • Ecologia
  • Meio Ambiente, etc.

Principais áreas de atuação do Biólogo:

  • Gestão ambiental
  • Ecotoxicologia
  • Ecoturismo (turismo ecológico)
  • Estudos e pesquisa relacionados ao meio ambiente
  • Gestão ambiental (bacias hidrográficas, parques, efluentes, jardins botânicos, etc.)
  • Paisagismo e jardinagem
  • Controle e licenciamento ambiental
  • Recuperação e reflorestamento de ambientes degradados
  • Bioinformática
  • Engenharia genética
  • Genômica
  • Tecnologia ambiental
  • Melhoramento genético ambiental e animal
  • Reprodução humana assistida
  • Biologia Forense
  • Banco de Sangue
  • Citopatologia
  • Vigilância Sanitária



Por que é importante estudar Biologia?

Basicamente por que a Biologia é uma ciência que estuda os seres vivos e explica os fenômenos ligados à vida e à sua origem. Além disso, é de extrema importância para entender o funcionamento do nosso ecossistema, que por sua vez, se torna essencial para a sobrevivência humana.

A importância do conhecimento biológico pode ser percebida desde a base do que compõe o planeta terra. Com a evolução das espécies, os estudos sobre a biologia também se transformaram no decorrer de décadas, com o auxílio até mesmo da tecnologia, e hoje, está presente no nosso dia a dia e possui uma influência direta em tudo que está relacionado aos seres vivos, desde os mecanismos que regulam as atividades vitais até as relações que estabelecem entre si e com o ambiente em que vivem.

Por isso, estudar a biologia consiste em adquirir conhecimento de como o mundo se organiza, desde os níveis mais simples até os mais complexos. E assim, prever e mensurar fenômenos que podem melhorar a existência na terra.

O que é a vida para Biologia?

O que é a vida? Esta questão tem proporcionado longas discussões e a resposta a ela pode depender das definições iniciais de cada um.

Algumas das definições de vida são:

  • A qualidade que distingue um ser funcional e vital de um corpo não vivente ou pura e simplesmente da matéria química.
  • O estado de um complexo material ou indivíduo, caracterizado pela capacidade de executar certas funcionalidades incluindo metabolismo, crescimento e reprodução.
  • A sequência de experiências mentais e físicas que constituem a existência de um indivíduo.

Sob estas definições, a vida poderá ou não incluir os vírus que, somente são vivos se conseguirem inserir o seu material genético dentro de uma célula viva. Para alguns, os sistemas vivos que reagem ao ambiente, sofrem crescimento, melhoram e se reproduzem, estão vivos. Uma definição mais liberal incluirá demasiado enquanto que uma visão mais restrita poderá não incluir todas as células.

Não existe uma definição definitiva sobre o que seja a vida. Para a ciência, um ser vivo é algo que atenda o conjunto das definições abaixo:

A definição Fisiológica

Foi popular por vários anos. Um ser vivo é definido como sendo um ser capaz de realizar algumas funções básicas, como comer, metabolizar, excretar, respirar, mover, crescer, reproduzir e reagir a estímulos externos. Várias máquinas realizam todas estas funções e, entretanto, não são seres vivos. Um automóvel, por exemplo, come e metaboliza a gasolina, e joga seus excrementos pelo escape. Respira oxigênio e expira gás carbônico. Por outro lado, algumas bactérias vivem na ausência completa de oxigênio, isto é, não respiram, e, sem dúvida, são seres vivos. A definição, portanto, tem falhas.

A definição Metabólica

É ainda popular entre muitos biólogos. Descreve um ser vivo como um objeto finito, que troca matéria continuamente com as vizinhanças, mas sem alterar suas propriedades gerais. A definição parece correta mas, novamente, existem exceções: certas sementes e esporos são capazes de permanecer imutáveis, dormentes, durante anos ou séculos e, depois, nascerem aos serem semeados. A chama de uma vela, por outro lado, também tem uma forma definida, e troca matéria continuamente com as vizinhanças.

A definição Bioquímica (ou biomolecular)

Seres vivos são seres que contém informação hereditária reproduzível codificada em moléculas de ácidos nucleicos e que controlam a velocidade de reações de metabolização pelo uso de catálise com proteínas especiais chamadas de enzimas. Esta é uma definição de vida muito mais sofisticada que a metabólica ou fisiológica. Existem, também neste caso, alguns contraexemplos: existe um tipo de vírus que não contém ácido nucleico e é capaz de se reproduzir sem a utilização do ácido nucleico do hospedeiro.

A definição Genética

Um sistema vivo é um sistema capaz de evolução por seleção natural. Em 1859 Charles Darwin publicou o livro que o tornou famoso: “A Origem das Espécies”. Um parafraseamento moderno de sua teoria poderia ser algo como: informação hereditária é transportada por grandes moléculas conhecidas como genes. Genes diferentes são responsáveis por características diferentes do organismo. Na reprodução, este código genético é repassado para o organismo gerado. Ocasionalmente, pequenas “falhas” ocorrem na replicação do código, e surgem indivíduos com pequenas variações – ou mutações. Algumas mutações podem conferir características especiais que tornam o organismo mais apto à sobrevivência. Como um resultado, estes genes “mutantes” vão se reproduzir com mais facilidade do que os normais, e esta será a espécie dominante.

A definição Termodinâmica

O segundo princípio da termodinâmica diz que, em um sistema fechado, nenhum processo que leve a um aumento da ordem interna do sistema pode ocorrer. O universo, como um todo, está constantemente indo para uma situação de maior desordem – a entropia do universo aumenta com o passar do tempo. Em um organismo vivo a ordem parece aumentar: uma planta pega moléculas ordinárias de água e gás carbônico e as transforma em clorofila, açúcares e outros carboidratos, moléculas bem mais elaboradas e ordenadas. Isto ocorre porque um ser vivo é um sistema aberto, que troca massa e energia com as vizinhanças. Alguns cientistas concordam que, na maioria dos sistemas abertos, a ordem aumenta quando se fornece energia para o sistema, e que isto acaba formando ciclos. O mais comum dos ciclos biológicos na Terra é o ciclo biológico do Carbono. Na oxidação dos carboidratos, o dióxido de carbono é devolvido a atmosfera, completando o ciclo. Vários ciclos termodinâmicos existem mesmo na ausência de vida, como é observado em vários processos químicos. De acordo com este ponto de vista, ciclos biológicos são meramente explorações de ciclos termodinâmicos por organismos vivos.” Fonte: http://www.qmc.ufsc.br/



Qual a função da Biologia?

Empiricamente a função da Biologia é entender a origem, funcionamento e manutenção dos organismos vivos.

Os animais, em geral, possuem a capacidade de se relacionar com o meio ambiente, incluindo a comunicação com seres da mesma espécie ou de espécies com quem mantêm relações biológicas específicas (ver, por exemplo, as formigas e os pulgões).

O homem tem a capacidade de realizar funções especiais, em virtude da grande capacidade do seu cérebro, como por exemplo, a escrita, a inovação artística ou tecnológica, funções por vezes chamadas “funções inteligentes” ou “funções intelectuais”.

Em biologia, chamam-se funções aos processos que se realizam nos seres vivos e que concorrem para a manutenção da espécie.

As funções que são comuns a todos os seres vivos, também chamadas funções vitais, incluem:

  • as funções da reprodução, incluindo a gametogênese, a fecundação, a propagação dos esporos ou outras estruturas reprodutivas, etc.;
  • as funções do metabolismo, como a respiração, a alimentação;
  • as funções do catabolismo.
  • as funções de relação.

Existem, no entanto, funções específicas de alguns grupos de organismos. As plantas verdes possuem a “função clorofilina”, ou seja, a capacidade de realizar a fotossíntese. Vários grupos de protistas e bactérias têm, por seu lado, a capacidade de usar vários compostos químicos para sintetizar matéria orgânica – os quimio-autotróficos.