A biotecnologia muda o mundo – Parte 3

Bem-vindos à era da engenharia genética de precisão e da biologia molecular. Com técnicas antes só vistas na ficção, vários setores podem ser revolucionados

Plantas tolerantes a diversas condições climáticas, a pragas e adaptadas a diferentes tipos de solo; alface rica em vitamina B9 e arroz rico em betacaroteno; microrganismos que produzem combustível e células-tronco capazes de recompor órgãos humanos: esses são apenas alguns exemplos do que a biotecnologia está prestes a transformar em realidade. Eles apontam para a utilização, cada vez mais frequente, de técnicas de biologia molecular e de engenharia genética para o desenvolvimento de inovações que têm potencial para revolucionar nossas vidas.

Em entrevista exclusiva ao Bayer Jovens, a bióloga Adriana Brondani, diretora-executiva do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), explicou que, no curto prazo, já deveremos ter plantas que se adaptam às mudanças climáticas e também com ganho nutricional: “Além dos já tradicionais grãos como soja e milho com características agronômicas, estão sendo desenvolvidos alimentos como um arroz rico em betacaroteno, uma alface rica em ácido fólico e uma soja com mais ácido oleico.”.

Há quem afirme que, no futuro, os transgênicos estarão ainda mais presentes em nosso dia-a-dia. Se dependermos do rigor das pesquisas e da seriedade dos cientistas envolvidos nelas, podemos caminhar tranquilos em direção a essa realidade. Estudos, relatórios e pareceres divulgados por academias de ciência e agências reguladoras do mundo todo, a exemplo da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO/ONU), a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Academia de Ciências, Medicina e Engenharia dos Estados Unidos (NAS) concluíram que os transgênicos não oferecem mais risco à saúde humana e animal ou ao meio ambiente do que as culturas convencionais.

A segurança atestada pela comunidade científica incentiva trabalhos científicos conduzidos no mundo todo a diversificarem, cada vez mais, os transgênicos disponíveis: berinjela, batata, beterraba, maçã, cana, salmão, além de novas vacinas e medicamentos entraram no mercado recentemente ou estão quase.

Doutora em bioquímica e biologia molecular, Adriana Brondani afirma que em futuro apenas um pouco mais distante, novas técnicas de engenharia genética vão permitir a produção de modificações ou mutações pontuais e, ao final, gerar um organismo que não tem nenhuma marca ligada à transgenia. Ela destaca uma tecnologia que tem grande potencial de gerar produtos revolucionários: a CRISPR-Cas9 (do inglês Clustered Regularly Interspaced Short Palindromic Repeats). “Descoberta em 2012, essa técnica utiliza a enzima Cas9 para cortar o DNA em pontos determinados por uma cadeia-guia de RNA. Utilizando uma metáfora, seria como a ferramenta localizar e substituir palavras do Word.”.

Ela ressalta ainda que a área de biotecnologia é muito promissora para os jovens que estão na fase de decidir qual profissão seguir. “Trata-se de um mercado com várias frentes, além da área agrícola. O jovem profissional pode se dedicar à área da saúde ou trabalhar com biotecnologia industrial, que está crescendo muito no Brasil. É uma tendência a utilização de microrganismos na produção de produtos que teríamos de retirar na natureza, como um combustível. Em vez de ter de acessar um material fóssil, você pode produzi-lo a partir do metabolismo de um microrganismo, por exemplo. Existe ainda a área de saneamento, de uma biotecnologia voltada para a proteção ambiental. Enfim, o jovem tem um leque de opções para trabalhar com uma tecnologia que tem muito a oferecer agora e também no futuro.”.

Esse leque de oportunidades fica ainda maior quando se considera que a biotecnologia abrange áreas específicas como as células-tronco, capazes de reparar tecidos e, futuramente, talvez até de recompor órgãos inteiros. Tudo isso é biotecnologia, e tudo se relaciona com inovação, grandes descobertas e importantes mudanças sociais e econômicas, o que pressupõe um futuro repleto de desafios.

Por Bayer Jovens

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.